Cordel da NOVA ORTOGRAFIA
Autor: Abdias Campos
Editora Abdias Campos

Com a nova ortografia
Nosso jeito de escrever
Sofreu algumas mudanças
E para a gente aprender
Chamo atenção ao papel
Que terá este cordel
Para mostrar a você

Primeiro saber por que
Houve esta necessidade
De uma mudança ortográfica
E qual é a validade
De a escrita ser igual
Na dissertação formal
Sem qualquer variedade

A sua finalidade
É tornar oficial
Uma grafia somente
De alcance internacional
Para em qualquer redação
De uma documentação
Esteja a escrita igual

No Brasil, em Portugal
Moçambique e São Tomé
Cabo Verde e Timor Leste
Angola, Príncipe e até
Guiné-Bissau é assim
Todos com o mesmo fim
De pôr nossa língua em pé

Por este acordo de fé
Não são mais duas grafias
Tidas como oficiais
Com regras de ortografias
(Europeia e brasileira)
Pesando sobremaneira
Sobre as mais diversas vias

Agora as academias
Já vêm nos trazendo tudo
Como na ACENTUAÇÃO
Garanto não ficar mudo
Vou mostrar como é que fica
E o que nela modifica
No transcorrer desse estudo

No uso do ACENTO AGUDO
Este sai da assembleia
Geleia, ideia e jiboia
Tramoia, joia e plateia
Paranoico e asteroide
Claraboia  e debiloide
Apoia, boia, epopeia

Heroico, estoico, alcateia
Odisseia e celuloide
Estreia, colmeia, e mais
Coreia e também androide
Não são mais acentuadas
São sem acentos grafadas
Paranoia e alcaloide

anéis, herói, chapéu
Mantêm-se o acento delas
Assim também como em céu
Ilhéu, dói, portanto nelas
Ninguém se atreva a tirar
O acento do lugar
Que é colocado pra elas

Existem também aquelas
Que o seu acento sumiu
Como feiura e baiuca
Boiuna também sentiu
A perda do acento agudo
As regras ensinam tudo
De como e porque saiu

Pois noutras palavras, viu?
O acento continua
Piauí e tuiuiú
Neste caso se acentua
Baú, baús e saída
A mesma regra é mantida
Para acentuação sua

Vamos falar do ACENTO
DIFERENCIAL, aqui
Usado em palavra homófona
Pra gente não confundir
Já que a pronúncia é igual
Usa o DIFERENCIAL
Que serve pra distinguir

Pára com acento parou
Passa a ser para também
Em verbo e preposição
Que agora vão se dar bem
Escritos do mesmo jeito
Vai se entender o conceito
Pelo contexto que tem

Assim como em pêlo, pólo
Sai o DIFERENCIAL
Agora a grafia é esta:
Pelo, polo, tudo igual
Saber-se-á pelo texto
Qual então é o pretexto
Da palavra no local

O circunflexo em pôr
No caso de verbo, fica
E por de preposição
Também não se modifica
Igualzinho como está
Que é pra diferenciar
Um do outro, tal a dica

Pôde no passado tem
Pode no presente não
Este verbo fica assim
Conforme a conjugação
Com o DIFERENCIAL
Dando importante sinal
Pra não haver confusão

Em fôrma a forma é esta
O acento é facultativo
Pode ser usado ou não
Cada um ponha o seu crivo
Nesta palavra somente
Nela especificamente
Tem emprego optativo

E para escrever não TREMA
Que agora vamos falar
Deste sinal que a reforma
Cuidou de lhe aposentar
Eram dois pontos grafados
Em que, qui, gue, gui montados
Para o u pronunciar

Não trema mais pra aguentar
A quem irá lhe arguir
Responda agora tranquilo
Que a presença do sagui
Em nossa fauna é frequente
Fale de forma eloquente
Nada de tremer aqui

O TREMA é somente se
For para nome estrangeiro
E à sua derivação
Explicaremos ligeiro
(Müller e mülleriano)
Mantém-se o trema sem dano
Do seu nome verdadeiro

O ACENTO CIRCUNFLEXO
Não se usa mais em êem
Nem se bota mais em ôo
Agora se escreve veem
Não se encontra mais em voo
Não se acha mais no zoo
Nem em perdoo também

Fica sem acento leem
Descreem, creem e coroo
Releem também perde acento
Enjoo, doo, abençoo
Foi lhes tirado o chapéu
E agora está no papel
Reveem, deem e povoo

Leia e escute o cordel completo, comprando-o neste site.